1_provas-de-cor_alquimia.png

“Onde está Eckenberger?” é um convite a adentrar o mundo do artista Reinaldo Eckenberger (1938 - 2018) como quem escava e encontra uma amontoado de importâncias e desimportâncias - restos, rastros e retalhos de uma vida. É um convite às arqueologias da invenção, a partir de um acervo de miudezas e grandezas relacionadas ao seu ofício criativo, sua prática intelectual e seu

universo pessoal. 

 

O projeto surge a partir do encontro com sua casa-atelier, na rua do Passo, número 68, entre o Santo Além do Carmo e o Pelourinho, no centro histórico da cidade de Salvador.  No processo de reunir, organizar, desempoeirar, ver e rever, listar e mapear tudo que encontramos no térreo do casarão onde viveu e produziu durante quase quatro décadas, abrimos espaço para as memórias de Eckenberger emergirem. E assim, inventariamos - e inventamos - os vestígios de uma vida: a vida de um artista imenso, engraçado, profundo e muito simples, baiano e alemão, apesar de argentino, amigo de Juan, Fernanda, Marcela, Marisa, Paulo, Dimitri e tantos outros, sobrinho de Irene e companheiro de Emílio.  

 

Na ocupação do seu atelier, entre janeiro e abril de 2020, adotamos como princípio organizador a dimensão do cuidar, experimentamos modos poéticos de sistematizar um inventário sensível e intuitivo, respeitando os detalhes e suportes que ele mesmo apresentava. Recebemos seus amigos, nos questionamos sobre datas e parentescos, relembramos histórias e nos emocionamos, como não?  

2_processos_fragmentos_arte-bruta_hibrid

Neste sentido, afirmamos a memória também como ponto de partida para criação. Aqui reunimos uma diversidade enorme de objetos, materiais e pertences de R.E. que foram registrados e digitalizados para compor o “inventário de uma vida”. Nele, além do conteúdo inventariado, apresentaremos depoimentos e textos sobre esse artista, sobre esse enigma:
“Onde está Eckenberger?” - em muitos lugares, confirmam as amizades.

 

A coordenação geral do projeto é compartilhada entre a artista visual Elena Landinez e a pesquisadora e gestora cultural Luisa Hardman, a identidade visual e o site estão sendo concebidos pela Tanto Criações Compartilhadas, o material audiovisual está sendo produzido pela artista-pesquisadora Agnes Cajaíba. A organização do espaço foi feita em colaboração com Camila Alemany, a comunicação está sendo organizada por Doris Vega (assessoria de imprensa) e Hori, estudio AGÁ (mídias sociais).  

 

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultural do Ministério do Turismo, Governo Federal.

 

Agradecimentos especiais

Juan Picón, Fernanda Cabrini, Marcela Antelo, Marisa, Paulo Vaz, Dimitri Ganzelevicth, Maria Isabel Ugarte, Ernesto Toríbio, Fabiana Marques, Graciela Natansohn , André, Luciana Accioly, Marcos Clement.